Alexandre manda PF ouvir Marcos do Val sobre propostas golpistas

Segundo do Val, a proposta de Silveira era a de não desmobilizar os acampamentos golpistas instalados em Bras√≠lia. J√° Bolsonaro teria proposto gravar, sem autorização, conversas que pudessem comprometer Alexandre.

Por Redação em 02/02/2023 às 22:19:26
Marcos Oliveira / Agência Senado

Marcos Oliveira / Agência Senado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, determinou nesta quinta-feira (2/2) que a Pol√≠cia Federal colha em até cinco dias o depoimento do senador Marcos do Val (Podemos-ES) sobre supostas propostas golpistas que ele teria recebido do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e do ex-deputado Daniel Silveira.

À revista Veja, do Val disse que o objetivo seria impedir que Luiz In√°cio Lula da Silva (PT) assumisse a Presid√™ncia. A Pol√≠cia Federal pediu que Alexandre autorizasse a oitiva do senador para que ele esclarecesse as declarações.

"Conforme amplamente noticiado, o Senador Marcos do Val divulgou em suas redes sociais ter recebido proposta com objetivo de ruptura do Estado Democr√°tico de Direito, circunst√Ęncia que deve ser esclarecida no contexto mais amplo desta investigação, notadamente no que diz respeito a eventual intenção golpista", afirmou Alexandre na decisão.

O ministro também afirmou que intenções golpistas podem ser enquadradas nos crimes de golpe de Estado e abolição violenta do Estado Democr√°tico de direito, ambos previstos o Código Penal (arts. 359-M e 359-L).

Segundo do Val, a proposta de Silveira era a de não desmobilizar os acampamentos golpistas instalados em Bras√≠lia. J√° Bolsonaro teria proposto gravar, sem autorização, conversas que pudessem comprometer Alexandre.

"Eles me disseram: 'Nós colocar√≠amos uma escuta em voc√™ e teria uma equipe para dar suporte, e voc√™ vai ter uma audi√™ncia com Alexandre de Moraes, e voc√™ conduz a conversa para dizer que ele est√° ultrapassando as linhas da Constituição. E a gente impede o Lula de assumir, e Alexandre ser√° preso'", disse o parlamentar à GloboNews.

A decisão de Alexandre foi proferida no Inquérito 4.923, que apura os atos terroristas de 8 de janeiro, quando o Supremo Tribunal Federal, o Congresso Nacional e o Pal√°cio do Planalto foram invadidos e depredados por bolsonaristas.

Negócios esp√ļrios
Jair Bolsonaro elegeu Alexandre de Moraes como alvo preferencial de seus ataques às instituições. Para o ex-presidente, sua derrota nas eleições se deveu a interfer√™ncias do ministro durante a campanha.

À revista Veja, Marcos do Val disse que foi procurado pelo então deputado Daniel Silveira (condenado pelo STF por tentativa de impedir o livre exerc√≠cio dos poderes da União). Eles combinaram um esquema para que ambos fossem ao Pal√°cio do Alvorada, resid√™ncia presidencial, sem deixar rastros, o que aconteceu no dia 9 de dezembro.

Durante a reunião, Bolsonaro apresentou a ideia que "salvaria o Brasil": gravar o ministro do Supremo sem autorização para tentar obter uma declaração de que não teria agido estritamente de acordo com a Constituição.

Quando o senador perguntou como isso seria feito, o presidente respondeu que o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que controla a Ag√™ncia Brasileira de Intelig√™ncia (Abin), daria suporte técnico, fornecendo os equipamentos necess√°rios.

Posteriormente, ao cobrar o senador por uma resposta, Daniel Silveira destacou que a operação seria segura, e que poucas pessoas saberiam: os dois parlamentares, o presidente e outras duas pessoas não identificadas. Silveira se referiu ao grupo como "cinco estrelas", dando a entender que os outros dois seriam militares.

Fonte: Conjur

Comunicar erro
Feira Felipi

Coment√°rios